Como aumentar a produtividade e qualidade da aquicultura?

A aquicultura tem crescido e aumentado sua participação na economia do país, consideravelmente. 

Apenas a criação de peixes em cativeiro no Brasil aumentou 4,7% no Brasil em 2021, com um faturamento de aproximadamente R$ 8 bilhões. 

Entretanto, esta atividade pode apresentar grandes perdas causadas por doenças infecciosas e manejo inadequado, que podem diminuir consideravelmente o lucro da atividade.

Leia nosso blog post completo para saber como as tecnologias da Revella podem te ajudar a aumentar a produtividade e a qualidade da aquicultura.

Baixe o ebook: Revella test:  Biossensores para detecção de Salmonella spp.

O que é Aquicultura?

Segundo a FAO, a aquicultura é uma prática que compreende todas as atividades relacionadas ao cultivo de organismos aquáticos, como peixes, moluscos, crustáceos, plantas aquáticas, répteis e anfíbios.

Possui implantação em todos os ramos da biologia, genética, ecologia e zoologia.

Incluindo também áreas como engenharia de pesca, tecnologia de alimentos, sociologia, economia e a própria engenharia de aquicultura.

Este segmento destaca-se como importante meio de produção de alimentos no mundo, seja como atividade produtiva de subsistência ou comercial. 

Mercado de produção de peixes

Nos últimos dois anos, a pesca e a produção aquícola atingiram um recorde histórico de 214 milhões de toneladas, cerca de US $424 bilhões.

A produção de animais aquáticos em 2020 foi 60% maior do que a média na década de 1990.  

A atividade aquícola atualmente é responsável por cerca de 99% das algas marinhas consumidas no mundo, 90% das carpas e 73% dos salmões. 

Já as tilápias, mariscos, caranguejos, bagres e lagostas criadas correspondem a 50% do que chega à mesa do consumidor.

Só no Brasil, o setor promete um crescimento de 104% até 2025, devido ao incentivo às pesquisas, com um aumento de 15% no consumo, chegando a 21,4 kg  per capita até 2030.

Foto no Canvas, aqui

Leia mais em: Revella Agritech: Nano e Biotecnologias para o agro.

Aquicultura no combate à fome

Os peixes produzidos pelo setor de aquicultura, além de serem destinados ao consumo humano.

Também são utilizados na produção de farinhas para a alimentação animal (ração), através de seus subprodutos ou resíduos (esqueleto, cabeça, escamas e vísceras).

A FAO ainda indica que a aquicultura é uma atividade responsável por assegurar a qualidade alimentar, fornecimento proteico, nutrição e emprego para a população.

O trabalho deve continuar para alimentar a crescente população mundial, melhorando a sustentabilidade das reservas e ecossistemas frágeis e protegendo os meios de subsistência a longo prazo. 

A atividade aquícola pode apresentar resultados rápidos para a produção de alimentos visando o combate à fome no mundo. 

Por isso a importância de estudos que garantam seu avanço.

Leia mais em: Biológicos no agronegócio: conheça a ciência que está por trás 

Como prevenir doenças e evitar a contaminação na produção aquícola

Atualmente, alguns métodos são utilizados visando prevenir o aparecimento de doenças, como a vacinação e uso de antibióticos em ração.

 O objetivo é conter a disseminação de doenças, principalmente as causadas por bactérias, mas podem também gerar resistência nos microbióticos. 

Com isso, impactos negativos ao meio ambiente são gerados devido à liberação de resíduos orgânicos e inorgânicos ao sistema. 

Desta maneira, pesquisadores e piscicultores têm procurado outras alternativas para controle e prevenção de doenças. 

O uso da nanotecnologia tem mostrado grande potencial na melhora da saúde dos peixes na aquicultura devido ao seu potencial antimicrobiano.

São utilizados sensores altamente seletivos para detecção de patógenos em água ou através de nanofiltros seletivos para compostos orgânicos e inorgânicos.

 Leia mais em: Nanotecnologia no setor agro: como a Revella influencia o segmento

Tecnologias para avançar no setor

Tecnologia e produção são conceitos que estão atrelados nos tempos atuais, e são garantia de resultados expressos com qualidade. 

O uso promissor da nanotecnologia em toda a cadeia produtiva vem se tornando mais usuais e apresentando resultados produtivos para o setor. 

Unindo conhecimento científico com desenvolvimento tecnológico, a Revella Agritech consegue atender as demandas de sanidade do setor de forma eficaz e sustentável.

Com produtos antimicrobianas à base de nanotecnologia, as soluções da Revella são inovadoras e diferenciadas para o segmento.

Apresentando resultados muito satisfatórios no combate de agentes patogênicos e inibindo contaminações cruzadas. 

Além de apresentar robustez devido a capacidade de suportar altas temperaturas e mudanças de pH do meio.

Para saber mais sobre esta e outras tecnologias desenvolvidas pela Revella.

Entre em contato com a gente por aqui, nossa equipe de especialistas estará pronta para atendê-lo.

Gostou do post? 

Então deixe seu comentário e não esqueça de compartilhar nas suas redes sociais!

Acesse mais conteúdos exclusivos inscrevendo-se no nosso canal do YouTube, acompanhando nosso blog e seguindo a Revella Agritech no LinkedIn, Facebook e Instagram.